Ciência Matemática

A palavra “Matemática” tem origem na palavra grega “máthema” que significa Ciência, conhecimento ou aprendizagem, derivando daí “mathematikós”, que significa o prazer de aprender. É comum definir a Matemática como o estudo de tópicos como quantidades, formas, espaço e mudança, através do método dedutivo, no qual se pressupõe um conjunto de axiomas e regras de inferência como forma de obter propriedades das entidades em estudo.

A  Matemática tendo ” per si” uma linguagem universal permite-nos conceder um conjunto vasto de ferramentas passíveis para a compreensão  do mundo e contribuir tácita ou explicitamente para a sua mudança. Estas ferramentas incluem o raciocínio lógico, técnicas de resolução de problemas, e a capacidade de pensar em termos abstractos.

Funções

A Matemática é também uma disciplina criativa. Ela pode estimular momentos de admiração e satisfação quando se resolve um problema pela primeira vez, quando se encontra uma solução mais elegante para esse ou para outro problema, ou, de repente, se descobrem relações escondidas entre temas aparentemente diversos.

A ciência matemática é admirável e nós no Quantum- Centro de Explicações de Lisboa, temos o prazer em explicar matemática e um prazer redobrado quando o aluno ganha o mesmo prazer que nós.

 

O FENÓMENO DAS EXPLICAÇÕES VISTO ATRAVÉS DE UMA ANÁLISE COMPARADA

Pode afirmar-se, sem grandes margens para erro, que as explicações são um daqueles fenómenos cuja difusão à escala global não merece contestação. Aliás, pensamos não ser forçado dizer-se que a “difusão mundial da escola” (matéria que tem sido estudada, entre outros, por John W. Meyer e que já mereceu, em Portugal, honras de antologia organizada ( por Nóvoa e Schriewer, 2000) tem como correlato a difusão mundial das explicações. Ainda que a história das explicações esteja em grande parte por fazer (ao invés do que se passa, como sabemos, com a história da escola), parece-nos plausível admitir que o desenvolvimento dos modernos sistemas educativos e a consolidação da “gramática da escola” (Tyack e Tobin, 1994; Nóvoa, 1995), nomeadamente a centralidade conquistada quer pela pedagogia colectiva (“ensinar a todos como se fossem um só”) quer pelos exames, criaram o ambiente propício para o aparecimento de respostas educativas “alternativas” através das explicações. Sem pretendermos ser exaustivos, apresentamos de seguida alguns argumentos em que nos baseamos para fazermos a afirmação anterior:

1. as explicações podem permitir (embora tal possa não acontecer sempre) um ensino individualizado, o que contrasta com o ensino massificado oferecido pelos sistemas educativos modernos;

2. as explicações podem apresentar-se como o espaço de realização dos trabalhos de casa, o que mostra mais uma dimensão da complementaridade que pode existir com o sistema regular de ensino;

3. as explicações podem ainda realizar a função (quiçá uma das mais apreciadas pelos clientes destes serviços) de preparação para os exames, cuja relevância máxima é atingida no caso do exame nacional;

4. as explicações podem cumprir ainda a função (mais social do que académica, reconheça-se) de apoio à família, oferecendo serviços de ocupação dos tempos livres vitais para uma família nuclear cada vez mais restrita e com elevados índices de ocupação laboral fora da esfera doméstica.

Sublinhar a importância das explicações no contexto educacional das sociedades parece ser um daqueles lugares comuns que aparentemente ninguém contesta. E, no entanto, essa importância não permitiu ainda que o tema conquistasse o espaço que mereceria, seja sob o ponto de vista académico, político, social ou económico. O epíteto de “actividade na sombra” parece ser revelador do que queremos afirmar. Nós próprios já demos conta destas preocupações em trabalhos anteriores (Costa, Ventura e Neto-Mendes, 2003; Costa, Neto-Mendes e Ventura, 2006), ainda que privilegiando enfoques diferentes daqueles que nos movem no presente, não dispomos ainda de evidências empíricas que permitam sustentar uma avaliação deste tipo relativamente à realidade portuguesa.

 

Alexandre Ventura

António Neto-Mendes

Jorge Adelino Costa

Sara Azevedo

 

Universidade de Aveiro (Portugal)

Explicações de Matemática para Biólogos

A cadeira de Matemática para Biólogos, ministrada, nomeadamente na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, tem como objetivo potenciar os alunos a utilizar conhecimentos básicos de álgebra linear e de cálculo, aplicando-os na resolução de problemas biológicos. A unidade curricular incide fundamentalmente em conhecimentos e técnicas de resolução de problemas utilizando o cálculo matricial, a derivação, as primitivas e integrais para além das equações diferenciais.

Decida ultrapassar, definitivamente, as dificuldades na cadeira de matemática para biólogos junto dos nossos explicadores, tendo o sucesso que necessita.

 

Explicações de Química Orgânica

A química orgânica é um ramo da química, com génese no estudo das substâncias que constituem a matéria viva e dos compostos resultantes das suas transformações.

Em muitas das Instituições de Ensino Superior, a cadeira de Química Orgânica, revela-se com alguma dificuldade para muitos estudantes.

Há muitos anos atrás, tanto os Fenícios como os Egípcios utilizavam produtos e técnicas “ cientificas “ para tingir têxteis, respectivamente a utilização de um corante de cor púrpura obtido das glândulas branquiais do molusco “ Merex Trunculus “ e o índigo ( com origem no anil ) e a alizarina . Ainda hoje é utilizado o índigo para tingir calças e outras peças de vestuário de ganga, a despeito deste corante ser obtido actualmente, através de processos industriais, o que revela que o Homem possui um domínio da química orgânica desde os primórdios da civilização.

A utilização de vinho para produzir vinagre e a fermentação das uvas para gerar álcool etílico, está descrito na Bíblia. Em plena idade medieval conhecia-se as propriedades ácidas do limão e o alquimista Jabir Hayyan descobriu no século VIII o ácido cítrico (C6H8O7). Com o fim da química tradicional no século XVIII, o químico Sueco, Torben Olof Bergman, dividiu, a química, em:

Torbem Olof Bergman

  • Química Orgânica     – ( Química dos compostos existentes nos organismos vivos )
  • Química Inorgânica – ( Química dos compostos existentes no reino animal )

 

Inicialmente, pensava-se que a síntese de substâncias orgânicas, seria apenas verosímil com a interferência de organismos vivos, contudo, veio a demonstrar-se que estes compostos podiam ser sintetizados em laboratório. Daí, que a designação de compostos de carbono ter vindo a substituir a de compostos orgânicos, já que este elemento é “ denominador comum “ a todos eles.

 

A facilidade com que os átomos de carbono (6C 1s2 2s2 2p2, 4 electrões de valência) formam ligações covalentes (simples, duplas ou triplas)  com outros átomos de carbono ou com átomos de outros elementos explica o número e a variedade de compostos orgânicos. Os compostos orgânicos podem ser agrupados e classificados de acordo com a presença de determinados grupos de átomos nas suas moléculas (os grupos funcionais), grupos esses que são responsáveis pelo comportamento químico dessas famílias de compostos orgânicos. Qualquer composto orgânico é constituído por uma cadeia carbonada não reativa, “o esqueleto” e por uma parte reativa, o grupo funcional.

Os hidrocarbonetos são substâncias moleculares binárias, pois são apenas formadas por carbono e hidrogénio. Quando na cadeia carbonada só existem ligações covalentes simples, trata-se de um hidrocarboneto saturado, caso existam ligações covalentes duplas ou triplas, entre os átomos de carbono, trata-se de um hidrocarboneto insaturado. Há dois grandes grupos de hidrocarbonetos: os hidrocarbonetos aromáticos (contêm, pelo menos, um anel benzénico) e os hidrocarbonetos alifáticos (não contêm nenhum anel benzénico e as suas cadeias carbonadas, podem ser abertas ou fechadas e qualquer delas pode ser ramificada (C3 ou C4) ou linear (C1 ou C2)).

Os explicadores do Quantum – Centro de Explicações de Lisboa, ajudarão os alunos a compreender estes conceitos e outros, como as nomenclaturas dos alcanos, dos alcenos e dos alcinos, esteres, aminas, polímeros e muito mais …

Peça informações e consulte os nossos preços, temos respostas pedagógicas para si …

Explicações de Mecânica e Ondas

ou explicações de Vibrações e Ondas

A unidade curricular Mecânica e Ondas, também denominada de Vibrações e Ondas em algumas Instituições do ensino superior, insere-se no ramo da Ciência Física e normalmente é lecionada nos primeiros dois anos dos cursos de licenciatura pós Bolonha, nas universidades e escolas superiores, em que a componente dos conhecimentos de Física são relevantes. mecanica e ondas

Movimento no tempo e no espaço: cinemática, movimento relativo, dinâmica ( mecânica Newtoniana ), princípio de inércia, conceitos de massa e força, ação e reação, movimento harmónico simples, vibrações amortecidas ou forçadas, conservação da energia mecânica, energia cinética e energia potencial, sobreposição de duas vibrações no mesmo sistema e acoplamento de dois sistemas vibrantes, ondas ondulatórias, ondas eletromagnéticas: transformação de Lorenz e suas consequências, forças exteriores, centro de massa, sistemas conservativos e dissipativos, movimento de sistema de partículas, movimento de corpo rígido, aceleração e velocidade angular, rotação do corpo rígido, momentos de inércia, velocidade e propagação de ondas, equação da onda, ondas transversais e longitudinais,  pressão hidrostática, princípio de Arquimedes relatividade restrita de Einstein, dilatação do tempo e contração do espaço E=mc²  e outros … conceitos e leis físicas, serão ministradas pelos nossos explicadores aos nossos estudantes, no âmbito da cadeira de Mecânica e Ondas ou Vibrações e Ondas, por forma a ultrapassarem as dificuldades da disciplina.

Consulte os nossos preços, visite os items deste site/blog e contacte-nos para o ajudar a ultrapassar com sucesso a unidade curricular.

Explicações para dentistas


Aqui estão algumas informações gerais sobre alguns tópicos relacionados à odontologia:

Dor nos dentes
  1. Higiene Oral:
    • A escovação dos dentes deve ser feita pelo menos duas vezes ao dia, usando uma escova de cerdas macias e pasta de dente com flúor.
    • O uso do fio dental é essencial para remover a placa bacteriana e restos de alimentos entre os dentes.
    • Enxaguantes bucais podem ser recomendados para complementar a higiene oral, mas não substituem a escovação e o uso do fio dental.
  2. Saúde Gengival:
    • A gengivite é a inflamação das gengivas e pode ser causada por acúmulo de placa bacteriana. Se não tratada, pode evoluir para periodontite, afetando os tecidos de suporte dos dentes.
    • Visitas regulares ao dentista para limpezas profissionais e exames ajudam a prevenir problemas nas gengivas.
  3. Cárie Dentária:
    • As cáries são lesões nos dentes causadas pela ação de bactérias que produzem ácidos que danificam o esmalte.
    • A prevenção envolve a escovação adequada, o uso do fio dental, uma dieta equilibrada e exames dentários regulares.
  4. Tratamentos Dentários:
    • Obturações são usadas para tratar cáries, enquanto coroas são usadas para restaurar dentes danificados.
    • Tratamentos de canal são realizados para salvar dentes infectados ou danificados.
    • Próteses dentárias, como dentaduras e pontes, podem ser recomendadas para substituir dentes ausentes.
  5. Ortodontia:
    • O tratamento ortodôntico, como o uso de aparelhos, é utilizado para corrigir problemas de alinhamento dos dentes e da mandíbula.
  6. Cirurgia Oral:
    • Extrações dentárias são realizadas em casos de dentes muito danificados, inclusos ou para criar espaço na boca.
    • Cirurgias mais complexas podem ser necessárias para tratar condições como cistos ou tumores na mandíbula.
  7. Odontopediatria:
    • O cuidado odontológico infantil é crucial para garantir um desenvolvimento saudável dos dentes permanentes e para estabelecer hábitos de higiene oral desde cedo.

Lembre-se, essas são informações gerais e é importante consultar um dentista para obter orientações específicas com base na sua situação oral única.

Explicações de Termodinâmica em Lisboa

Presencial ou Online

A termodinâmica, com esta designação ou outras semelhantes e com níveis de aprofundamento diferenciados, é uma disciplina obrigatória dos diversos “curriculum” escolares de Licenciaturas e Mestrados em Química, Física, Engenharia Química, Engenharia Mecânica e várias outras, tanto no ensino Politécnico como no ensino Universitário.

Na Quantum – Centro de Explicações de Lisboa, estamos familiarizados com vários compêndios, que sobre estes temas, ficaram como marcos importantes na correspondente literatura.

Em “Thermodynamique” o prémio Nobel da Química Ilya Prigogine e Dilip Kondepudi elaboraram um trabalho de sintese de todo o percurso da termodinâmica, desde as suas origens até aos mais recentes desenvolvimentos, descrevendo as três principais àreas de investigação :

  • equilíbrio
  • linearidade na vizinhança do equilíbrio
  • não equilíbrio

São alguns dos conteúdos versados :

  • das máquinas térmicas à cosmologia
  • as leis da termodinâmica
  • Entropia e reações químicas
  • Termodinâmica do equilíbrio ( estados físicos da matéria, mudanças de fase, soluções e misturas, campos e graus internos de liberdade … etc
  • As flutuações e a estabilidade ( fenómenos críticos e produção de entropia )
  • Termodinâmica não linear e estruturas dissipativas
  • .. . etc

Os programas das disciplinas de termodinâmica dos ” curriculum ” dos cursos de Licenciaturas e Mestrados dos ensino Politécnico como no ensino Universitário, não são tão extensos, podendo e devendo-se adaptar a cada programa e a cada aluno as carências de conhecimentos referentes ao tema.

Mesmo que o insucesso académico seja uma realidade presente, com dedicação e trabalho e ajuda dos explicadores da Quantum – Centro de Explicações de Lisboa, levarão os alunos ao sucesso com as explicações de termodinâmica tanto de forma presencial como por via remota.

Consulte os nossos preços acessíveis e contacte-nos.

Ajudamos a preparar o seu sucesso

Explicações sobre Invisalign

O Invisalign é um sistema de tratamento ortodôntico que utiliza alinhadores transparentes e removíveis para corrigir problemas de má oclusão, como dentes tortos ou mal posicionados. Aqui estão algumas explicações sobre o Invisalign:

alinhadores transparentes e removíveis
  1. Alinhadores Transparentes:
    • Os alinhadores do Invisalign são feitos de um material plástico transparente e são praticamente invisíveis quando usados. Isso oferece uma opção discreta para corrigir problemas ortodônticos, em comparação com os tradicionais aparelhos metálicos.
  2. Mapeamento Digital:
    • O processo começa com um mapeamento digital detalhado da boca do paciente. Imagens 3D são usadas para criar um plano de tratamento personalizado.
  3. Plano de Tratamento Personalizado:
    • Com base no mapeamento digital, um ortodontista projeta um plano de tratamento personalizado que inclui a movimentação gradual dos dentes ao longo do tempo.
  4. Alinhadores Sob Medida:
    • Com base no plano de tratamento, uma série de alinhadores sob medida é fabricada. Cada conjunto de alinhadores é usado por cerca de duas semanas antes de passar para o próximo, progredindo gradualmente na correção dos dentes.
  5. Removível e Confortável:
    • Uma das vantagens do Invisalign é que os alinhadores são removíveis. Isso permite que o paciente coma, escove os dentes e passe o fio dental sem restrições, facilitando a manutenção da higiene bucal.
  6. Monitoramento Regular:
    • Os pacientes geralmente visitam o ortodontista a cada seis a oito semanas para monitorar o progresso e receber um novo conjunto de alinhadores.
  7. Tempo de Tratamento:
    • O tempo total de tratamento com Invisalign varia de acordo com a gravidade do caso, mas muitas vezes é comparável ou até mais curto do que o tempo necessário com aparelhos tradicionais.
  8. Indicações do Invisalign:
    • O Invisalign é eficaz para corrigir uma variedade de problemas ortodônticos, incluindo dentes tortos, apinhamento, diastemas (espaços entre os dentes) e problemas de oclusão.

É importante notar que nem todos os casos podem ser tratados com Invisalign, especialmente aqueles que requerem movimentos dentários mais complexos. Um ortodontista qualificado pode avaliar se o Invisalign é adequado para o seu caso específico.

Explicações de Análise Matemática

A análise matemática é o ramo da matemática que utiliza os conceitos introduzidos pelo cálculo diferencial e integral, e a sua ” génese ” emergiu pela necessidade de contribuir para a construção de fórmulas rigorosas às ideias de teor intuitivo do cálculo.

A disciplina de Análise Matemática, faz parte do ” curriculum” de muitas Instituições Universitárias e Politécnicas, estando presente em rigorosamente todos os cursos em que a matemática é a base dos mesmos ou a ciência matemática constitua ferramenta essencial para a resolução de problemas inter-correlacionados. São exemplos, todas as licenciaturas, mestrados e doutoramentos nas àreas da engenharia, da economia, da gestão empresarial, da matemática aplicada, da  física, da química, entre outras. A disciplina análise matemática, nem sempre tem o mesmo nome em todas as Universidades e Institutos Politécnicos, sendo apelidada também por cálculo ou cálculo infinitesimal ou cálculo diferencial e integral ou matemáticas gerais, mas ” latus sensus” corresponde a programas semelhantes, se considerarmos o conjunto alargado de disciplinas de análise e que integram a análise matemática I, a análise matemática II, e em algumas Instituições mesmo a análise matemática III e IV.

A análise matemática é a disciplina, juntamente com álgebra e estatística que mais alunos do ensino superior tem procurado apoio no nosso Centro de Explicações e face ao qual nos sentimos orgulhosos, já que dispomos de vários Professores com competência inequívoca para esse auxílio.

Os explicadores do nosso Centro de Explicações estão aptos a apoiá-lo para compreender, funções reais de variável real, estudo de funções com variáveis independentes, derivada da função composta, derivada da função inversa, derivada da função implícita e derivada de funções definidas paramétricamente, derivadas parciais, primitivas e cálculo integral em |R, integrais múltiplos e integrais duplos, equações diferenciais de ordem 1 e superior, Series ( critério de comparação, Alambert, Cauchy, convergência, somas… etc ), polinómio de Taylor para funções… etc.

O insucesso escolar é uma realidade, mas o sucesso também.

Consulte os nossos preços acessíveis, contacte-nos e venha receber explicações de Análise Matemática. Ajudamos a preparar o seu sucesso.

Explicações de Cálculo Financeiro

Nas explicações de Cálculo Financeiro os professores do nosso Centro de Explicações, irão transmitir aos seus explicandos técnicas de cálculo financeiro, por forma a que os alunos possam tomar decisões fundamentadas, quando o valor temporal dos fluxos financeiros se mostrem relevantes, como são os casos dentro outros, das aplicações financeiras ou da avaliação de projetos de investimento.

 Para se desenvolverem competências no   âmbito do cálculo financeiro, os nossos   explicadores abordarão os principais regimes   de capitalização ( simples , composta … ) e as   regras de equivalência de capitais e de taxas,   contemplando ainda o estudo das rendas e das   regras para amortizar empréstimos quer   obrigacionistas, quer de empréstimos   clássicos. A resolução de exercícios que   viabilize a aplicação prática dos conhecimentos    teóricos adquiridos revela-se na unidade curricular de cálculo financeiro essencial, para a sua consolidação cognitiva, em definitivo. No plano teórico-prático deverão os professores e os alunos abordar as diversas temáticas da “cadeira” de cálculo financeiro nas quias pautamos a título indicativo, alguns exemplos como, capital, juro e tempo, caracterização de regimes de capitalização, diferentes conceitos de taxa de juro, taxas nominais, efetivas, equivalentes, proporcionais, liquidas e ilíquidas, correntes e reais, regimes de equivalência,  regimes de taxas de juro simples e composto, capitalização contínua, capitalização e atualização, rendas temporárias de termos constantes e de termos variáveis ( a variar em progressão aritmética e geométrica ), amortização de empréstimos, noções de avaliação de investimentos aspetos específicos de amortização de empréstimos obrigacionistas …

Consulte os nossos preços e modalidades de explicações e contacte-nos. Temos respostas pedagógicas para si e para o seu sucesso na ” cadeira ” de Cálculo Financeiro.