Explicações Geometria Descritiva Lisboa

O Centro de Explicações de Lisboa, em Alvalade, possui no seu quadro, Professores para lhe dar explicações de Geometria Descritiva. 

Geometria Descritiva

A geometria mongeana, correntemente denominada por geometria descritiva é um ramo da geometria que tem como objetivo representar objetos de três dimensões num plano bidimensional. Esse método foi desenvolvido por Gaspard Monge e teve grande impacto no desenvolvimento tecnológico sendo considerada, no início da sua sistematização, como segredo de Estado.  

A Geometria Descritiva serve de base teórica ao desenho técnico, permitindo a construção de vistas auxiliares, cortes, secções, rebatimentos, rotações, interseções de planos e sólidos, mudança de planos de projeção, determinação de verdadeiras grandezas  de distâncias, ângulos e superfícies, bem como o cálculo de volumes a partir dos dados extraídos das projecções ortogonais.

Para a arquitetura, engenharia ou o design de produtos ou equipamentos o conhecimento da geometria descritiva é essencial. A existência de um mais profundo conhecimento do método de Monge, permite utilizar com maior adequação, todo o potencial dos programas de CAD e das modelagens em 3D, que exigem o domínio de medidas, curvaturas e ângulos exatos.

A modelagem tridimensional comporta  no seu entendimento e construção os conceitos da Geometria Descritiva. É insuficiente o entendimento, para gerar maquetes virtuais de qualidade, sem o conhecimento de conteúdos específicos da mesma, como por exemplo, a localização de pontos através de coordenadas (X, Y, Z) nas suas formas absolutas ou relativas.

Também no domínio das artes, nomeadamente na Geometria Descritiva, os explicadores da Quantum-Explicações, estão disponíveis e motivados, no nosso Centro em Alvalade ( Av. de Roma) em ajudar os alunos a ultrapassar as dificuldades, como o fazemos em muitas  àreas do conhecimento, como na matemática, física, química, biologia, economia e no domínio das ciências humanas.

Consulte os nossos preços ou solicite mais informação sobre as Explicações de Geometria Descritiva em Lisboa

 

Explicações de Probabilidade e Estatística – PE

Probabilidade e Estatística é a denominação usada pelo Instituto Superior Técnico – IST ou a Faculdade de Ciências e Tecnologia de Lisboa – FCT  entre outras para a cadeira que versa conteúdos da ciência estatística tais como: Axiomática de Kolmogorov . Teorema de Bayes. Função de distribuição. Variáveis aleatórias discretas e contínuas. Valor esperado, variância e outros parâmetros. Distribuições conjunta, marginais e condicionadas. Independência. Correlação. Aproximações entre distribuições. Teorema do limite central. Lei dos Grandes Números.   Propriedades dos estimadores. Método da máxima verosimilhança. Distribuições amostrais da média e variância. Intervalos de confiança para parâmetros de populações normais e outras. Testes de hipóteses para parâmetros de populações normais e outras. Testes de ajustamento de Pearson e independência em tabelas de contingência. Estimação pelo método dos mínimos quadrados. Inferência no modelo de regressão linear simples.

O nosso Centro de Explicações, situado na Av de Roma, em Lisboa, convida os alunos do ensino superior a frequentar as nossas explicações e a ultrapassar com sucesso as dificuldades desta cadeira de estatística.

Consulte os nossos preços e contacte-nos.

Chaves para escolher um bom dentista invisalign

No que diz respeito à Ortodontia, estamos sem dúvida no boom do invisalign.

invisalign

É um método disruptivo no qual ninguém percebe que você está usando um aparelho dentário.
Usar qualquer tipo de aparelho odontológico hoje é muito mais fácil e barato do que anos atrás.
Hoje a Ortodontia é muito acessível a qualquer pessoa e até mesmo usá-la às vezes virou tendência ou moda.
Se você optar pela Ortodontia Invisalign, você deve levar em consideração alguns aspectos para poder escolher um bom ortodontista especializado:

1) Marca registrada: A primeira coisa que devemos ter certeza é a originalidade da marca, e assim evitar possíveis decepções, já que em alguns lugares a Ortodontia invisível não precisa ser invisível. Existem outras marcas de diferentes fornecedores.

Dentista Invisalign

2) Verifique se é um Provedor Invisalign: Isso dá ao médico a capacidade de colocar invisalign. Para isso, basta acessar o site da marca: No próprio site do invisalign há uma seção para colocar o nome do médico. Seu nome deve aparecer aqui e podemos verificar se ele é credenciado.

3) Nível médico: No mesmo site, colocando o nome do médico, podemos ver a categoria que ele possui. O que é isso? Bem, a experiência que esse profissional tem. Como medido? Com o número de casos realizados no ano passado. Em suma, um médico com níveis elevados provavelmente está mais acostumado a planejar seu clincheck e você provavelmente alcançará resultados bem-sucedidos. As escalas invisalign são: (da reputação mais baixa para a mais alta):
• Prata
• ouro
• Gold II
• Platina
• Platinum II
• Platinum Elite
• Diamante
4) Explicação detalhada: Não menos importante é que o médico que o atende explique detalhadamente em que consiste o tratamento. Um bom indicador seria verificar se ele faz perguntas como O que é que te preocupa? O que você quer melhorar no seu sorriso?
• Esclarecimento de dúvidas: Você deve perguntar tudo o que lhe vier à mente em relação ao seu tratamento ortodôntico. É melhor pecar do que pedir e ter tudo muito claro. Este é um bom momento para se conectar com o profissional.
5) Empatia: E por que não? Um médico próximo e empático que se conecta com seu paciente sempre torna a visita ao dentista mais agradável.
6) Reputação: Podemos sempre buscar o nome do profissional que nos atendeu ou da própria clínica para podermos avaliar a opinião de outros pacientes por ela atendidos como depoimentos ou investigar um pouco a situação da clínica obtendo informações nas redes sociais, fóruns ou algum meio digital atual.

Deixamos um link para o site de alinhamento para que você possa verificar e verificar as informações discutidas acima.

O produto ou a própria marca são os mesmos em todas as clínicas, mas não quem faz o clinchek ou as mãos que tratam você.
Em última análise, parte da mensagem a ser transmitida é encorajar o paciente a descobrir o que é invisalign, como funciona, quem vai aplicá-lo em mim, etc.
É importante dedicar um tempo para verificar todos os aspectos discutidos nos pontos anteriores, vale a pena pedir várias opiniões ou vários planos de tratamento que nos façam ver as coisas com mais clareza ou sob diferentes pontos de vista.
Seguir essas dicas pode ser muito útil na escolha de um bom provedor de invisalign. Se tiver alguma questão, pode sempre contactar-nos porque na Clínica do Marquês somos especialistas em invisalign e teremos o maior prazer em respondê-la.

Centro de Explicações Lisboa

Promovemos  explicações individuais ou em grupo ( máximo de 3 alunos ), o que permite uma intervenção pedagógica diferenciada e personalizada, por forma a atingir a otimização dos resultados escolares.

Explicações em sala com professores licenciados, mestres, doutorandos ou doutorados, do 1º ano de nível de escolaridade ao ensino superior

– preparação para testes e exames do 9º ano
– preparação para testes e exames do 11º ano
– preparação para testes e exames do 12º ano
– preparação especial para acesso ao ensino superior para mais de 23 anos
– preparação para testes e exames ao ensino superior ( Universitário ou Politécnico )

Navegue no nosso site, solicite informações e contacte-nos.

Temos respostas pedagógicas para si …

Calendário escolar do próximo ano letivo

O calendário escolar para o ano letivo 2019/2020 foi publicado em Diário da República. O calendário determina as datas para o funcionamento das atividades educativas e letivas dos estabelecimentos públicos da educação pré-escolar e do ensino básico e secundário.

Já foi publicado o calendário escolar do próximo ano letivo e as férias do Natal têm quase três semanas.

Segundo o calendário hoje publicado, o primeiro período terá início entre os dias 10 e 13 de setembro de 2019 e termina no dia 17 de dezembro de 2019. O segundo período vai de 6 de janeiro de 2020 a 27 de março de 2020.

E, por fim, o terceiro período começa a 14 de abril e termina em diferentes datas consoante o ano de escolaridade: 4 de junho de 2020 para os 9.º, 11.º e 12.º anos, 9 de junho de 2020 para os 5.º, 6.º, 7.º, 8.º e 10.º anos, e 19 de junho de 2020 para o pré-escolar e o 1.º ciclo do ensino básico.

a interrupção escolar do Natal vai, assim, de 18 de dezembro de 2019 a 3 de janeiro de 2020. São quase três semanas de férias.

As férias do Carnaval serão entre os dias 24 e 26 de fevereiro de 2020.

E as férias da Páscoa serão de 30 de março de 2020 a 13 de abril de 2020.

Sistema de ensino em Portugal

A Educação engloba os processos de aprender e ensinar.

É um fenômeno inerente a qualquer sociedade e aos grupos que a constituem, sendo responsável pela sua manutenção e perpetuação transmissíveis, às gerações vindouras  de modos culturais de ser, estar e de estar indispensáveis à boa convivência humana. Enquanto processo de sociabilização, a educação é exercida nos diversos espaços de convívio social, seja para a adequação do indivíduo à sociedade, do indivíduo ao grupo ou dos grupos à sociedade. Nesse sentido, educação coincide com os conceitos de socialização e endoculturação, mas não se resume a estes.

Em Portugal o ensino básico está distribuído por três ciclos :

  • 1.º ciclo (1.º ano ao 4.º ano);
  • 2.º ciclo (5.º e 6.º ano);
  • 3.º ciclo (7.º ao 9.º ano).

As classificações dos alunos são fundamentalmente qualitativas e também quantitativas nos 2º e 3º ciclos.

A maior ênfase boa aprendizagem, centra-se na língua Portuguesa, na matemática e na compreensão do meio físico, sendo o 3º ciclo mais abrangente.

Instituto Superior de Economia e Gestão ( ISEG)

Torre Norte do Instituto Superior Técnico.

O ciclo seguinte é designado por Ensino Secundário – abrange os 10.º, 11.º e 12.º anos e tem um sistema de organização próprio, diferente dos restantes ciclos. A mudança de ciclo pode, em vários casos, ser marcada pela mudança de escola, sendo, por exemplo, as escolas que abrangem o 1.º ciclo mais pequenas que as restantes, tendo em média cerca de 200 alunos, enquanto que as do 2.º e 3.º ciclos e as secundárias podem facilmente atingir os 2000 alunos.

A taxa de alfabetização nos adultos situa-se nos 95%. As matrículas para a escola primária estão próximas dos 100%. Apenas 20% da população portuguesa em idade de frequentar um curso de ensino superior frequenta as instituições de ensino superior do país. Para além de ser um dos principais destinos para os estudantes internacionais, Portugal está também entre os principais locais de origem de estudantes internacionais. Todos os estudantes do ensino superior, tanto a estudar no país como no estrangeiro, totalizaram cerca de 380 mil alunos em 2005.

 

O ciclo seguinte é designado por Ensino Secundário – abrange os 10.º, 11.º e 12.º anos e tem um sistema de organização próprio, diferente dos restantes ciclos. A mudança de ciclo pode, em vários casos, ser marcada pela mudança de escola, sendo, por exemplo, as escolas que abrangem o 1.º ciclo mais pequenas que as restantes, tendo em média cerca de 200 alunos, enquanto que as do 2.º e 3.º ciclos e as secundárias podem facilmente atingir os 2000 alunos.

A taxa de alfabetização nos adultos situa-se nos 95%. As matrículas para a escola primária estão próximas dos 100%. Apenas 20% da população portuguesa em idade de frequentar um curso de ensino superior frequenta as instituições de ensino superior do país. Para além de ser um dos principais destinos para os estudantes internacionais, Portugal está também entre os principais locais de origem de estudantes internacionais. Todos os estudantes do ensino superior, tanto a estudar no país como no estrangeiro, totalizaram cerca de 380 mil alunos em 2005.

As Universidades Portuguesas existem desde 1290, sendo a primeira a Universidade de Coimbra, que, no entanto, estabeleceu-se primeiramente em Lisboa antes de se fixar definitivamente em Coimbra. As universidades são geralmente organizadas em faculdades, institutos e escolas. A Declaração de Bolonha foi adoptada desde 2006 pelas universidades e institutos politécnicos portugueses. Nas Universidades, as avaliações são feitas numa escala de 1 a 20 valores. Em média, os cursos demoram três anos, o que equivale a nove trimestres, sendo que no fim deste período (e depois dos exames finais), é efectuada a média final do aluno, e se conseguir, a partir daí o aluno está oficialmente formado na área que escolheu (porém, pode aumentar sempre a sua qualificação com um Mestrado, e posteriormente, com um doutoramento).

Existem ainda Institutos Politécnicos de ensino superior espalhados por quase todos os distritos de Portugal.

Facetas dentárias: Como sei qual a melhor para mim?

As facetas dentárias são revestimentos finos que são colocados na parte frontal (visível) do dente para melhorar suas imperfeições, dando uma aparência muito natural.

Se está a pensar em melhorar seu sorriso com este tratamento? Os facetas dentais são atualmente usados ​​para corrigir uma grande variedade de problemas estético-dentais, como dentes manchados ou amarelados, dentes lascados ou desgastados, dentes tortos ou deformados e até mesmo para corrigir espaços irregulares entre os dentes frontais superiores. Ler Mais…

Aluguer de carros em Lisboa – Explicações sobre alguns pontos a ter em conta

O aluguer de carros em Lisboa é muito barato e permite-lhe ser independente dos transportes públicos e horários que muitos viajantes gostam.

Alugar um carro em Lisboa é uma decisão muito inteligente: a cidade é compacta e funciona bem, é fácil de navegar através das principais vias de tráfego e, especialmente, os custos são muito baixos: estacionamento, gasolina e preço do aluguer em si não afetará muito o seu orçamento. Ler Mais…

O FENÓMENO DAS EXPLICAÇÕES VISTO ATRAVÉS DE UMA ANÁLISE COMPARADA

Pode afirmar-se, sem grandes margens para erro, que as explicações são um daqueles fenómenos cuja difusão à escala global não merece contestação. Aliás, pensamos não ser forçado dizer-se que a “difusão mundial da escola” (matéria que tem sido estudada, entre outros, por John W. Meyer e que já mereceu, em Portugal, honras de antologia organizada ( por Nóvoa e Schriewer, 2000) tem como correlato a difusão mundial das explicações. Ainda que a história das explicações esteja em grande parte por fazer (ao invés do que se passa, como sabemos, com a história da escola), parece-nos plausível admitir que o desenvolvimento dos modernos sistemas educativos e a consolidação da “gramática da escola” (Tyack e Tobin, 1994; Nóvoa, 1995), nomeadamente a centralidade conquistada quer pela pedagogia colectiva (“ensinar a todos como se fossem um só”) quer pelos exames, criaram o ambiente propício para o aparecimento de respostas educativas “alternativas” através das explicações. Sem pretendermos ser exaustivos, apresentamos de seguida alguns argumentos em que nos baseamos para fazermos a afirmação anterior:

1. as explicações podem permitir (embora tal possa não acontecer sempre) um ensino individualizado, o que contrasta com o ensino massificado oferecido pelos sistemas educativos modernos;

2. as explicações podem apresentar-se como o espaço de realização dos trabalhos de casa, o que mostra mais uma dimensão da complementaridade que pode existir com o sistema regular de ensino;

3. as explicações podem ainda realizar a função (quiçá uma das mais apreciadas pelos clientes destes serviços) de preparação para os exames, cuja relevância máxima é atingida no caso do exame nacional;

4. as explicações podem cumprir ainda a função (mais social do que académica, reconheça-se) de apoio à família, oferecendo serviços de ocupação dos tempos livres vitais para uma família nuclear cada vez mais restrita e com elevados índices de ocupação laboral fora da esfera doméstica.

Sublinhar a importância das explicações no contexto educacional das sociedades parece ser um daqueles lugares comuns que aparentemente ninguém contesta. E, no entanto, essa importância não permitiu ainda que o tema conquistasse o espaço que mereceria, seja sob o ponto de vista académico, político, social ou económico. O epíteto de “actividade na sombra” parece ser revelador do que queremos afirmar. Nós próprios já demos conta destas preocupações em trabalhos anteriores (Costa, Ventura e Neto-Mendes, 2003; Costa, Neto-Mendes e Ventura, 2006), ainda que privilegiando enfoques diferentes daqueles que nos movem no presente, não dispomos ainda de evidências empíricas que permitam sustentar uma avaliação deste tipo relativamente à realidade portuguesa.

 

Alexandre Ventura

António Neto-Mendes

Jorge Adelino Costa

Sara Azevedo

 

Universidade de Aveiro (Portugal)