Explicações de Economia

Explicações de Economia para preparação dos exames nacionais do ensino secundário ou acompanhamento dos alunos no decurso do ano letivo, no nosso Centro de Explicações de Lisboa, localizado na Av. de Roma em Lisboa.Euro economia

O aluno de Economia no nosso Centro de Explicações, vai compreender e interpretar gráficos, classificar necessidades e bens, compreender o papel dos agentes económicos na atividade económica, diferenciar as três óticas de cálculo do produto ( produção, rendimento e despesa ) e calcular o PIB e o PNB  a preços de mercado e a custo dos fatores.

Explicações curvas da procura e da oferta

Ponto de equilíbrio económico de mercado

Os nossos explicandos vão entender, ainda, as leis e as curvas da procura ( demanda) e da oferta ( supply) e o significado do ponto de equilíbrio de mercado.

Muitos outros conceitos estão pautados no programa da disciplina de economia, os quais os explicadores do ” Quantum-Explicações ” irão ajudar o aluno a compreender, como inflação, deflação, indíce de preços no consumidor, rendimentos pessoal, disponível e ” per capita”, preços correntes e a preços constantes, concorrência perfeita e concorrência imperfeita ( oligopólos e monopólios e concorrência monopolística ), fatores de produção, lei dos rendimentos decrescentes e economias e deseconomias de escala, fluxos económicos ( reais e monetários ) entre os agentes económicos ( Empresas, Famílias, Instituições Financeiras, Estado e Exterior ), lei de Engel, curva de Lorenz, poupança, investimento, entesouramento, aplicação financeira, consumo, consumismo e consumarismo … e muito mais.

Consulte os nossos preços e solicite mais informação em Explicações de Economia.

Um ano de 2017 de sucesso para os estudantes Portugueses

O Quantum-Explicações deseja a todos os estudantes, seus familiares e amigos, um ano de sucesso, nas vossas vidas.Ano novo

Aos alunos, sugerimos que em 2017, levem a sério o que um dia Albert Eistein escreveu :

” O único local do mundo, em que o sucesso vem antes do trabalho, é no dicionário “

Portanto estudem com empenho, leiam aquele livro que sempre tiveram  vontade de ler e nunca arranjaram  um tempo para o fazer, saiam com a vossa família, divirtam-se com os vossos amigos e trabalhem com lealdade e afinco.

Indubitavelmente que o T de trabalho vem antes do S de sucesso, mas de facto só no dicionário.

Sejam felizes com a emoção do conhecimento e da cultura.

Explicações de ACED – Análise Complexa e Equações Diferenciais


Uma equação diferencial é uma equação cuja incógnita é uma função, que surge sob a forma das respectivas derivadas.     Dada uma variável x, função de uma variável y, a equação diferencial envolve, x, y, derivadas de y e eventualmente também derivadas de x.

As equações diferenciais têm inúmeras aplicações práticas em engenharia, física, biologia, economia, química entre outros domínios do conhecimento, sendo o seu estudo, de análise complexa e estando integrada num vasto campo na matemática pura e na matemática aplicada.

Equações diferenciais têm propriedades intrinsecamente interessantes como:

  • solução pode existir ou não.
  • caso exista, a solução é única ou não.

A ordem da equação diferencial é a ordem da derivada de maior grau que aparece na equação. A solução de uma equação diferencial de ordem n, conterá n constantes.

Os nossos professores explicarão o que necessita para o ajudar a atingir o conhecimento e a preparação para a resolução de equações diferenciais ordinárias ou equações diferenciais parciais.

Contacte-nos e consulte os nossos preços.

Explicações às crianças lá em casa sobre a ida ao dentista

Se os adultos a experiência de ir ao dentista, normalmente, resulta ser agradável, para uma criança pode parecer muito pior. Portanto, a ajuda dos pais em casa é vital. Hoje vamos dar algumas dicas sobre o como explicar aos filhos em casa sobre a ida ao dentista.dentista crianças

Em casa, os pais devem transmitir confiança e ensinar a criança que ir ao dentista é bom para ele. Nunca deve usar o dentista como uma ameaça. Não é incomum em casa escapar algum comentário do tipo “Se não escovar os dentes, vai ter de ir ao dentista.” A criança provavelmente fica com a ameaça de que ir ao dentista dói. Quando o dia chegar, não irá associar o dentista como punição, portanto está mais predisposto para ir de livre vontade cooperar em tudo.

A melhor maneira de motivar a criança a escovar os dentes é o exemplo. Nada melhor do que escovar os dentes juntos em casa. Aprender é imitação. Se lhe for dada uma escova de dentes da criança, enquanto escovar os dentes adultos a criança vai tendem a imitar o adulto. Se a criança é pequena, menos de 6 ou 7 anos de idade, ele não pode deixá-lo a responsabilidade de escovação. Ou seja, temos de deixá-lo escovar primeiro e depois o pai deve rever e limpar os dentes toda criança corretamente.

A partir de três anos de idade, a criança tem todos os dentes na boca, deve fazer a primeira visita ao dentista. Mesmo sem cárie, uma visita ao dentista a cada seis meses permite que a criança a conhecer-nos e conhecer a clínica. Então, vamos evitar o medo do desconhecido. O dia em que precisa de tratamento, se necessário, gerir o seu comportamento será muito mais fácil.

Se já tem uma cárie, tem que explicar em casa o que vai fazer, mas numa língua que compreenda. Evitar por todos os meios dizer as palavras, agulha, sangue, dor. Nós vamos lidar com o filho para não ver ou entender nada sobre essas coisas, então essas palavras não deve ouvir em casa, e perdemos credibilidade.

Muito reforço positivo para recompensá-los. Nada como uma promessa de que o vai levar para o parque, ao cinema ou a um sítio que realmente gosta, se ele se comporta bem. Mas deve-o fazer, porque se não vai deixar de acreditar na próxima vez.

Por último artigo, a Fada dos Dentes também pode ser útil. Se a criança é muito jovem e não pode entender que precisa está lá para reparar os dentes. Ele pode explicar em casa que precisam de dentes de fixação para a fada dos dentes para pegar. É a melhor maneira de ver o dentista como uma ajuda para conseguir algo que ele almeja.

Se deseja organizar uma visita para o seu filho ao dentista visite a Clinica do Marquês em Lisboa e marque a sua consulta pelo tel:211 977 188. Estamos na Rua Braamcamp 14, r/c esq1250-050 Lisboa.

Exames Nacionais 2016

Quando se aproximam os exames nacionais há um sentimento nos Estudantes, Professores e Encarregados de Educação, de que o ano letivo está em ” jogo ” .
De facto, o sucesso do ano lectivo, preparara-se no início do ano e não no fim .
No entanto, é verdade que existe uma maior pressão psicológica quando nos aproximamos da data da sua realização. ajuda
As explicações tem, neste contexto, um contributo por vezes decisivo nos objetivos dos alunos.
Para alguns alunos as explicações permitem ajudá-los a recuperar conteúdos programáticos que não estudaram ou não entenderam. Para outros as explicações, são essenciais para enfrentarem o exame nacional com confiança rumo ao sucesso, e  para outros, que exigem a si próprios, classificações de excelência por forma a colocarem-se em boas posições de acesso a  cursos superiores, as explicações permitem cobrir totalmente as expectativas de cada um.
O Quantum-Explicações, permite-lhe em todas estas vertentes de escolha ajudá-lo a atingir os objectivos que procura alcançar, seja em MatemáticaFísica, Química, Biologia e Geologia, EconomiaPortuguês, História entre muitas outras disciplinas com exame nacional.

Quantum-Centro de Explicações de Lisboa, deseja-lhe sucesso nas suas provas e isso vai consegui-lo com estudo e dedicação.

” O único local, onde o sucesso vem antes do trabalho é no dicionário

Albert Einstein

Navegue no nosso site e consulte as informações nele inseridas. Temos respostas pedagógicas para o seu sucesso nos exames nacionais.

10 cursos superiores a evitar neste momento

Com base nos dados do Forum Estudante, criou-se um ranking dos cursos com mais saída, até aos que têm menos. Estes são alguns dos cursos a evitar!

Engenharia Informática continua a liderar o top dos cursos com mais empregabilidade. Veja aqui algumas das licenciaturas com menos saída profissional.

 

  1. Filosofia. Por muito atrativo que seja estudar o pensamento de Aristóteles, Sócrates ou Platão, a verdade é que as saídas profissionais para os licenciados em Filosofia são cada vez mais estreitas. A ideia (errada) de que se trata de uma disciplina perfeitamente dispensável nos dias que correm afasta-a das preferências de muitos alunos. A taxa de empregabilidade entre os licenciados da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa nesta área está pouco acima dos 16%.

 

  1. Radiologia. Os cortes na saúde não são boa notícias para que escolheu Radiologia como via profissional. É que este é um dos cursos com mais alta taxa de desemprego pós-licenciatura. No curso do Instituto Politécnico de Coimbra, apenas 30% dos estudantes que terminaram o curso conseguiram colocação no mercado de trabalho.

    Empregabilidade

    Empregabilidade

 

  1. Relações Internacionais. Foi um curso muito popular durante os anos de 1990. A plena integração europeia e a internacionalização e globalização económica deram asas à licenciatura. Mas os tempos de ouro já lá vão há muito. Atualmente, o desemprego atinge cerca de 50% dos licenciados que tiram este curso na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra.

 

  1. Ciências da Comunicação. Os cursos de comunicação social foram-se multiplicando à mesma velocidade que o mercado se ia contraindo e muitas publicações fechavam portas. O programa acabou por se ir alargando às assessorias mediáticas, permitindo mais algumas saídas profissionais. Mas, nos dias que correm, é uma escolha de alto risco, com altíssimas taxas de desemprego. No curso disponível na Escola Superior de Viseu, por exemplo, apenas 52% dos licenciados conseguiu começar a trabalhar. Mas desde então, o mercado estreitou-se ainda mais.

 

  1. História. Um dia vai ser preciso alguém para contar toda a história dos tempos conturbados que se vivem em Portugal. Mas atualmente, tirar o curso de História é um passo de gigante para o desemprego. Pelo menos para quem quiser exercer a atividade. A vertente do ensino está praticamente fechada e a investigação apresenta idênticas dificuldades de acesso. Aproximadamente metade (55%) dos formados em História pela Universidade de Lisboa não conseguem trabalho na área.

 

  1. Psicologia. Aqui está outra licenciatura que, eventualmente, poderá ainda vir a ser muito útil aos portugueses. No entanto, a realidade atual é de que se trata de um curso com cada vez menos saída profissional, com altas taxas de desemprego, sendo que só depois de terminar o mestrado é que os alunos podem exercer a profissão.

 

  1. Bioquímica. A Bioquímica, anteriormente chamada de química biológica ou fisiológica, é uma ciência interdisciplinar que estuda principalmente a química dos processos biológicos que ocorrem em todos os seres vivos. É voltada principalmente para o estudo e tecnologia da estrutura e função de componentes celulares. Mas não tem muita saída. A taxa de sucesso dos licenciados em Bioquímica na Universidade Nova de Lisboa anda pelos 15,3%.

    Cursos de baixa empregabilidade

    Cursos de baixa empregabilidade

 

  1. Línguas e Literaturas. Nem com o novo Acordo Ortográfico o curso de Línguas e Literaturas consegue ter mais saídas profissionais. Uma vez mais, a vertente ensino está completamente esgotada e a única hipótese para quem é formado nesta área parece ser mesmo sair da «zona de conforto». É que na Universidade de Lisboa, a título de exemplo, apenas 25% dos licenciados nesta área conseguiu emprego.

 

  1. Estudos Europeus. É verdade que nunca se falou tanto de Europa como atualmente, mas a verdade é que esta é uma licenciatura com pouquíssimas hipóteses de saída profissional. Na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, a taxa de licenciados nesta área a conseguir emprego era de 18%…

 

  1. Ciências Bioanalíticas. É o curso com menos possibilidades de saída profissional. Tem competências multidisciplinares com aplicação em áreas analíticas e pré-clínicas de controlo da qualidade alimentar, ambiental, agro-ambiental, de produtos farmacêuticos e cosméticos, de águas, efluentes e solos, bem como de análises químico-biológicas de aplicação ao diagnóstico clínico e toxicológico. Só existe da Universidade de Coimbra e a taxa de empregabilidade ronda os 15%.

Fonte: Forum Estudante

O(s) Milagre(s) do teísmo

Para começo de conversa, em princípio, que eu saiba, até agora nenhum acontecimento ou fenómeno que os fiéis declaram como milagrosos e que invocam como provas directas ou evidências indirectas da verdade da sua fé religiosa (de qual religião, já agora, visto haverem tantas, há quem diga cerca de 10 mil…) foi cientificamente atestado como tal de molde a reunir o consenso ou, pelo menos, a aceitação de boa parte da comunidade científica competente para o determinar para além de qualquer dúvida razoável – admitindo ser esta a melhor forma de o determinar, face à natureza empírica dos fenómenos e às provas dadas pela ciência nesse domínio. Pelo contrário, a esmagadora maioria desses fenómenos ou acontecimentos, à semelhança de muitos outros de natureza idêntica ou similar que envolvam igualmente a crença em forças ou entidades sobrenaturais, tais como anjos e demónios, fadas e duendes, bruxas, vampiros ou lobisomens, deuses ou monstros, tém vindo a ser sistemáticamente compreendidos e denunciados como ilusões humanas sem qualquer realidade objectiva desde há alguns séculos a esta parte por parte da filosofia e da ciência quando estas são exercidas de forma racional e criticamente imparcial, e não instrumentalmente em apoio de uma qualquer fé religiosa, como sucedeu durante séculos e ainda sucede em muitos lugares por esse mundo fora.

É verdade, como se costuma dizer, que ausência de provas não é prova de ausência, mas se aceitarmos como metodologicamente razoável a velha regra de exigir provas ou evidências extraordinárias de afirmações extraordinárias – e o que poderia ser mais extraordinário, para padrões humanos e naturais conhecidos, que um homem nascer por inseminação espiritual de uma virgem, ressuscitar mortos ou morrer e ressuscitar ele próprio dos mortos, não é verdade? -, então as alegações de milagre precisam ser extraordinariamente justificadas por todos os meios conhecidos e de reconhecida garantia para o fazer, como sejam todos os meios empíricos e racionais usados na ciência e na filosofia, a fim de eliminar qualquer outra explicação como impossível, ou, pelo menos, como altamente improvável face aos factos e a outras explicações alternativas, pois, como dizia o Rei dos detectives, o Grande Sherlock, “Uma vez eliminado o impossível, aquilo que restar, por muito improvável que seja, deve ser verdade”. Ora, como, por definição, os próprios milagres parecem desafiar a noção lógica, física e metafísica de impossibilidade, ou pelo menos a física, dado serem supostamente violações ou transgressões às leis da Natureza, portanto impossibilidades físicas que somente seriam possíveis graças à intervenção de uma qualquer entidade sobrenatural, por maioria de razão se deve exigir provas ou evidências absolutamente extraodinárias que não deixem subsistir qualquer dúvida razoável sobre outras alternativas de explicação de carácter, digamos, mais terra-a-terra, isto é, naturais ou humanas, demasiado humanas, como sejam a fraude, a ilusão, a mentira, a pura e simples ignorância, a vontade de acreditar ou quaisquer outros fenómenos naturais ou psicológicos conhecidos ou desconhecidos que possam originar tal crença, razões que parecem mais do que suficientes para deixar claro de que lado está ou deve estar o ónus da prova.

Por outro lado, parece legitimo especular que, caso o Deus do teísmo clássico existisse, então a probabilidade de ocorrência de um milagre relativamente à sua intenção de realizá-lo seria de 100%”. O problema é que, usando o mesmo direito epistémico que justifica tal especulação, também se pode especular razoavelmente em sentido contrário e dizer: caso não exista o Deus do teísmo clássico, a probabilidade de ocorrência de um milagre relativamente à sua intenção de realizá-lo é de 0%. É que pressupor, ainda que hipoteticamente, a existência de Deus como forma de explicar os milagres e, ao mesmo tempo, usar os milagres para provar a existência de Deus, ainda que hipoteticamente, parece um argumento estranhamente circular que se aproxima perigosamente da petição de princípio, uma vez que a existência de ambos é precisamente o que está em causa.

Quanto à objecção que alguns teístas fazem, com certa razão, a alguns ateus, invertendo a acusação clássica que estes costumam fazer quanto à vontade de acreditar daqueles – a qual explicaria, em última instância, a sua crença -, acusando-os simetricamente de não acreditarem por vontade de não acreditar, embora reconhecendo que ela é pertinente por ser vulgar em muitos ateus, devo dizer que não só não é o meu caso, como eu até gostaria que Deus existisse, que houvesse milagres e que houvesse vida depois da morte. O problema é que desde muito cedo aprendi que que o mundo não gira à volta dos meus desejos e que não é por eu querer ou precisar muito que algo seja verdade que esse algo passa a ser magicamente verdade, só porque isso me consolaria muito, me garantiria uma segurança vital ou existencial sem falhas, me daria uma razão moral para viver e morrer, conferiria um sentido justo a tudo isto, me daria paz de espírito e me tornaria muito feliz, que são basicamente os motivos gerais de natureza psicológica e antropológica que me parecem explicar a universalidade da religião.

Por outro lado, não são apenas os alegados milagres que historicamente e todos os dias se reivindicam por esse mundo fora que estão em causa: é que, se Deus realmente existisse, fosse como o imaginamos e usasse os milagres como forma priveligiada de intervenção para dar a conhecer aos homens a sua presença e manifestar a sua vontade no mundo, então porque é que ele não os faz de uma forma inequívoca e com maior critério a fim de que não subsistissem quaisquer dúvidas sobre a sua existência e sobre a sua infinita bondade, justiça, poder e sabedoria? Porque é que ele não impediu milagrosamente o Holocausto, só para dar um exemplo clássico? Porque é que não impediu milagrosamente a 1ª e 2ª guerras mundiais? Porque é que ele não impediu, de forma inequivocamente milagrosa, a morte de todos os inocentes nessas guerras? Porque é que ele milagrosamente não impediu a escravatura, os gulags, os genocídios? Porque é que ele milagrosamente não impede a Sida (Aids), o cancro (cancer) ou o Alzheimer de causar tanto sofrimento desnecessário e ceifar a vida de milhões de pessoas que nada fizerem para merecer tal sorte segundo quaisquer padrões humanos de moralidade? Porque é que ele permitiu a perseguição aos cristãos e aos judeus, que eram supostamente o seu povo eleito e os seus filhos dilectos? Porque é que ele permitiu que os cristãos, uma vez chegados ao poder, fizessem com os os adeptos de outras religiões precisamente o mesmo que estes tinham feitos com eles? Porque é que ele permitiu e continua a permitir as “guerras santas” entre povos e religiões? Porque é que ele permitiu a caça às bruxas e aos hereges em seu nome? Porque é que ele não desviou milagrosamente os aviões antes de chocarem contra as torres do World Trade Center em 11 de Setembro de 2001? Porque é que ele não impede milagrosamente os fanáticos do Estado Islâmico de decapitarem pessoas inocentes que só tentavam ajudar os outros e fazerem o bem, se é isso que ele supostamente diz que devemos fazer? Porque é que ele não impede milagrosamente o sofrimento de milhões de animais não-humanos que todos os dias sofrem desnecessessariamente às nossas mão, supostamente feitas à sua imagem e semelhança? Porque não pode? Porque não quer? Porque não quer nem pode? Ou porque simplesmente não existe e não passa de uma invenção nossa, criada à nossa imagem e semelhança, isto é, à imagem e semelhança das nossas necessidades e desejos? Face a tudo isto e a um número potencialmente infinito de outros exemplos, confesso-vos com franqueza que, face a estas duas alternativas, mesmo na ausência de uma prova empírica ou racional indisputavelmente sólida ou cogente, não tenho grandes dúvidas em considerar a segunda hipótese como racionalmente mais plausível para além de qualquer dúvida razoável. Em suma, e para encerrar o meu caso, se Deus existisse e fizesse milagres, porque diabo perderia ele tempo em fazer girar o Sol, ou em exibir aparições da Virgem Maria para uma multidão, ou em fazer chorar sangue a estátuas de santinhos, ou fazer aparecer estigmas nas mãos de algumas pessoas, ou em conservar incorruptíveis os corpos de pessoas mortas há centenas de anos, quando poderia perfeitamente dar uma prova indiscutível da sua existência, poder, bondade e amor infinitos evitando milagrosamente uma quantidade infinita de mal e fazendo uma quantidade verdadeiramente milagrosa de bem por esse mundo fora? Isso sim, seria um verdadeiro milagre! E estou convencido de que não haveria ateus, por mais irredutíveis que fossem ou por mais vontade de não acreditar que tivessem – e sim, também estou a pensar em Dawkins e companhia – que não se rendessem às evidências e não gritassem em uníssono: Aleluia! Pray to the LORD! The LORD is my Shepherd!

 

João Carlos Silva

Professor de filosofia